terça-feira, 10 de abril de 2012

Hello Deb!!!


É inegável a melhoria da qualidade das séries de televisão nos últimos 10 anos, ao ponto dos grandes actores e actrizes colocarem de parte projectos no cinema para enveredarem por esta via, como por exemplo, Ashley Judd, Dustin Hoffman, Jessica Lange, Steve Buscemi, Ana Paquin, Christian Slater, Sean Bean, entre muitos outros. No entanto, apresentam dois pontos bastante negativos.

O primeiro está relacionado com a sua longevidade. Quando se verifica que uma série é um sucesso de audiências, há uma tendência para a prolongar, repetindo constantemente a sua fórmula até à exaustão, o que provoca a saturação do espectador. Neste caso, servem de exemplos, os diversos C.S.I., House, Heroes, Lost ou Glee.

Um segundo problema, este apenas para os espectadores mais impacientes, é a conclusão das temporadas, com reviravoltas ou revelações surpreendentes, mas mantendo o suspense e uma angustiosa expectativa sobre o que vai acontecer. Assim, o final da sexta temporada de Dexter, em que este é apanhado em flagrante pela irmã Debra a fazer aquilo que mais gosta, só vai ser desvendado lá para final do ano. Será que vai matar a irmã (adoptiva)? Será que ela vai associar-se a ele nas próximas temporadas? Ou será que vai simplesmente denunciá-lo? Outros casos são o final da segunda temporada de The Walking Dead, em que o grupo começa a dividir-se e a liderança de Rick a ser questionada ou a conclusão da também segunda temporada da estupenda Downton Abbey, em que o Mr. Bates foi preso por supostamente ter assassinado a sua ex-mulher.

Aproveito para referenciar mas quatro séries que tenho seguido e adorado: Mildred Pierce, que infelizmente é muito curta, mas mostra todo o potencial de Kate Winslet; Homeland e a história do sargento "herói/terrorista?" Brody; Spartacus – Vengeance, com um novo actor a substituir o malogrado Andy Whitfield – a série continua com sangue e sexo a rodos – e Smash, o musical do momento, baseado no projecto de um casal de criar um musical sobre a vida de Marilyn Monroe.

Sem comentários: