quarta-feira, 4 de abril de 2012

Molière - O Avarento


Esta comédia de 5 atos foi escrita há quase 350 anos, mas mantém-se bastante atual. A obra deste genial dramaturgo francês vale o interesse, quer seja pela composição dos personagens, quer pelo inusitado da história, que chega a aproximar-se de uma comédia romântica. A patética avareza de Harpagon (provavelmente personagem inspiradora do tio Patinhas de Walt Disney) funciona como um ingrediente divertido nesta sátira sobre a ambição humana que nos faz recordar a ganância do ser humano nestes anos de crise financeira global que vivemos. A única coisa que interessa é ter, possuir, acumular. Numa realidade assim, as relações afetivas transfiguram-se por completo. Convém relembrar que na época em que o texto foi escrito a usura era um pecado grave para a Igreja Católica que condenava a cobrança de juros. Assim, com Molière e com a sua galeria de personagens obsessivas, agarradas à loucura de possuir e dominar, angustiamo-nos e rimo-nos das permanências e das teimosias da História.

Esta obra inicia-se com a descrição do avarento, uma pessoa rabugenta, teimosa, imprestável e acima de tudo, muito forreta e com o coração preenchido pela avareza e mesquinhez, uma vez que até é capaz de colocar o dinheiro acima da felicidade dos filhos. Definitivamente uma das últimas pessoas que um caloteiro desejaria conhecer. Este personagem, Harpagon, desconfia da lealdade de todos e vive constantemente com medo de ser roubado, pois guarda todo seu dinheiro em casa.

Harpagon tem dois filhos, Cleante e Elisa, para os quais pretende arranjar noivos com posses. No entanto, ambos vivem na miséria, consequência da avareza do pai. O seu filho Cleante está apaixonadado pela bela Mariane mas revela-se demasiado ingénuo e sonhador. Por sua vez, o amor da vida de Elisa, Valério, é contratado pelo seu pai para mordomo da sua casa e por isso, Elisa tem consciência de que o pai nunca aprovaria a sua paixão.

Um episódio assaz divertido ocorre quando os irmãos revelam a sua paixão um ao outro e tentam convencer o pai a aceitar os factos, submetendo-se a ele e assim tentando garantir o seu suporte económico. Mas os planos do pai são outros: para Cleante “arranja” uma viúva rica, para Elisa um homem bastante mais velho e Mariana fica para ele mesmo. É patético como a ganância e o autoritarismo de um se sobrepõem à vontade de todos os outros, mas na realidade todos os personagens dão algum contributo imoral para a escalada do enredo até à situação de (quase) ruptura.

Com muito humor, entre encontros e desencontros amorosos, a peça aborda temas como a lealdade, a honestidade, a solidão, a avareza e a manipulação humana. Felizmente, no final, parece que todos os personagens estão em harmonia entre si, e o avarento também aprende a sua lição. Mas a crítica ao comportamento humano perdura.

Sem comentários: